Informes Técnicos


CLAs e Atividade Física

O uso de suplementos ainda permanece bastante controverso na literatura científica Há um aumento no consumo do ácido linoléico conjugado (CLA) por atletas e desportistas que buscam elevar a massa magra muscular. Devido ao escasso conhecimento científico que aponte os efeitos do CLA na conversão de tecido gorduroso em massa muscular, atletas e desportistas têm feito uso do produto sem saber se as doses ingeridas causam riscos à saúde.

Um estudo realizado, recentemente, por pesquisadores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP), avaliou o efeito da suplementação com o CLA sobre a composição corporal, especialmente no acúmulo de tecido adiposo e de massa muscular, e sobre parâmetros sanguíneos em ratos.

No Departamento de Agroindústria, Alimento e Nutrição, da Esalq, foram avaliados os efeitos de uma dieta contendo 0,5% de CLA em 64 ratos, sendo 32 fêmeas e 32 machos, divididos em grupos com atividades físicas e sedentários.

Foram analisados variáveis como eficiência alimentar, ganho de peso, teor de gorduras, composição corpórea e biomarcadores sanguíneos como colesterol e triglicerídeos. Também foram feitos exames bioquímicos das fezes dos animais e a pesagem de órgãos como pulmão, coração e fígado.

A análise comparou ainda as diferenças e possíveis interações entre sexo, dieta e situação, sendo esta última condição empregada para distinguir os animais sedentários dos que praticaram exercício. Os ratos atletas foram submetidos a 40 minutos diários de atividade física em uma roda de exercícios automática, com velocidades de 10 a 15 metros por segundo.

A suplementação de 0,5% de CLA auxiliou na diminuição de gordura corporal e apresentou aumento da massa magra apenas nas fêmeas submetidas às atividades físicas.

A porcentagem de 0,5% de CLA utilizada na dieta dos animais foi determinada com base na literatura científica disponível, uma vez que diversos autores obtiveram resultados satisfatórios em seus experimentos com a mesma quantidade de CLA.

Segundo a pesquisa, a realização de atividade física entre os grupos de ratos suplementados com CLA foi responsável por uma redução de 15% na comparação com os grupos sedentários.

Diferentemente do que é divulgado em propagandas de suplementos, o estudo mostra que a utilização do CLA pelos sedentários não contribui para a transformação de gordura em músculo. Isso ocorreu só nos grupos de animais que utilizaram o CLA e praticaram exercícios, principalmente as fêmeas.

Os resultados demonstraram ainda que todos os animais que receberam dieta controle (comum) apresentaram níveis semelhantes de gordura visceral, tanto os que se exercitaram como os demais. Com relação aos alimentados com dieta contendo 0,5% de CLA, os primeiros tiveram um teor de gordura 28% menor do que os sedentários.

Um dos motivos do uso de CLA ter sido mais significativo em fêmeas é que elas são menores que os machos e podem ganhar mais gordura e energia. A concentração de gordura no ganho de peso tende a elevar-se à medida que os animais ficam mais adultos e mais pesados, o que acarreta aumento nas exigências de energia pelo metabolismo.
A maturidade ocorre decréscimo de proteína e aumento de gordura no organismo, em razão da redução do crescimento muscular e do aumento do desenvolvimento do tecido adiposo. O menor conteúdo lipídico dos animais submetidos ao treinamento físico pode ser um dos fatores responsáveis pelo menor ganho de peso corporal alcançado por eles.

Os resultados apontam ainda que, entre os ratos de ambos os sexos, a suplementação com ácido linoléico conjugado influiu beneficamente nos teores de colesterol plasmático e matéria seca e mineral da carcaça dos animais.

Os machos sedentários suplementados com CLA também apresentaram maiores quantidades de gordura na carcaça, enquanto os animais atletas suplementados com CLA apresentam menores teores de gordura visceral.

Os resultados do trabalho de pesquisa, intitulado “Efeito da suplementação com ácido linoléico conjugado (CLA) comercial sobre a composição corporal, parâmetros sanguíneos e formação de ateromas em ratos” deverá ser submetido para publicação em revistas como o The Journal of Nutrition e o Journal of Medicinal Food.

O uso de suplementos ainda permanece bastante controverso na literatura científica, pois os estudos disponíveis não esclarecem totalmente seus mecanismos de ação, bem como as dosagens recomendadas e os possíveis efeitos adversos.

Dessa forma, recomenda-se que esportistas e desportistas ativos ou sedentários tenham uma alimentação equilibrada que garanta o fornecimento de todos os nutrientes necessários para a realização do trabalho biológico.

Para aqueles que realmente se interessam pelo uso dos suplementos, é aconselhável que sua utilização seja realizada com cautela, sob orientação do médico e/ou nutricionista.